patrocinado por

24H NA ESTRADA! IRON SACO

Cidade: Fernandópolis/SP | Categoria: Infos Úteis
Postado em: 29/12/2010
Diário de Motocicleta

Depois de passar seis dias com a minha filha, incluído a noite de Natal, era chegada a hora de pegar a estrada e rodar 700 km até em casa.

Confesso que os primeiros 100 km um nó na garganta me acompanha, afinal, não é nada fácil deixar minha filha para trás, mas é preciso voltar a rotina, aos compromissos e ao ganha pão... enfim!

Dia 26 de dezembro, meio dia! Começava minha etapa do IRON SACO.
Diferente do IRON BUT que precisamos correr a maior distância em menor tempo, O IRON SACO te deixa na estrada parado por muito tempo.

É fantástico!

Após conferir o óleo, pneus, passar graxa na corrente e abastecer, coloquei a moto na estrada para mais uma viagem da qual conheço cada curva e reta. 

Rod. Euclides da Cunha até Mirassol, depois Rod Washington Luiz até uma paradinha em São José do Rio Preto para abastecer.  (130km percorridos - 1ª perna de 7!)

Tenho por hábito parar no posto ESSO da Av. Murchid Homsi onde geralmente abasteço uns 6 lt depois de uma tocada a 130 km/h em média. 

Nada demais! Tanque cheio, estrada novamente. 

É sempre bom aproveitar a pressão do tanque cheio e entortar um pouco o cabo, desopila o carburador, a mente e dá gáz para próxima esticada.
Nesta tocada, passados uns 10 km, a moto começou a perder potência até me fazer parar no acostamento de bate e pronto. A moto não pegava mais. 

No relógio eram 13h30 quando eu desmontava a caixa de fusíveis e constatava que tudo estava ok! 

Restavam-me as opções: 

1- Velas;
2- Gasolina adulterada;
3- Carburador entupido;
4- Bomba de gasolina queimada. 

Pedi socorro no telefone de SOS e fiquei na estrada esperando. 

Depois de tomar uma chuva e começar a fritar no Sol novamente, resolvi, mesmo na contramão, empurrar a moto e tentar fazê-la pegar no tranco. Vai que tudo não passava de um pequeno afogamento?

Não! Não era! 

Cansado de empurrar, liguei para minha mulher e dei a notícia que estava fud@#$. 

Na pista do outro lado passou um motociclista de colete vazio com uma Shadow 600cc, buzinou, deu tchauzinho e seguiu reto passando pelo retorno... UÉ! Cadê o espírito motociclístico? Brincadeira né?
Mas beleza vai... estava em sentido contrário! 

Depois disso na minha pista, se aproximou um piloto numa moto que prefiro não descrever, me viu no acostamento, buzinou e seguiu.

Quando o cabra deu as costas, é que eu percebi que ele tava de colete e bem grande nas costas o Brasão do Brazil Rider´s! 

Pára!

Eu corri pra pista acenando, mas mesmo assim seguiu viagem. 

Esse cara eu xinguei! Mas muito! E bem alto! (rs)

Eu sou um Brasil Rider´s desde 2007, e ainda que eu não fosse, sou motociclista e prestaria socorro, como já parei inúmeras vezes, para ajudar um irmão na estrada mesmo sem colete.

O cidadão acima viu um motociclista de colete no acostamento, sentado no guard-rail, com moto custon, capacete no retrovisor, alforjes na moto e seguiu viagem tranqüilo. 

Isso não condiz com os Princípios do Motociclismo e muito menos com a conduta de irmãos BRAZIL RIDERS onde tenho vários ótimos amigos que fazem deste cidadão um ser único, assim eu espero. Amém! 


Passados 40 minutos, chegou uma Van da Triangulo do SOL – isso porque eu pedi um guincho por  que é óbvio que a moto não entraria nela, então o socorrista pediu para central o que eu já havia pedido, um guincho. 

Mais 30 minutos de espera, chegou o guincho e me levou para o Posto Primavera onde abasteci. 
Assim que eu cheguei quis falar com o Gerente, mas imagine se o dito estaria num domingão pós Natal... claro que não.

Os frentistas logo começaram a palpitar e cada um deu sua opinião isentando a qualidade da gasolina. 

Um rapaz que grosseiramente esqueci-me de perguntar o nome, parou com um NX e sacou umas ferramentas com as quais consegui tirar as velas. 
Aparentemente estavam ok! Coloquei tudo novamente e nada... a moto não pegou. 

Então, resolvi esvaziar o tanque e abastecer com 3 lt de aditivada, e nada... 

Nisso já se foi o dia!
Ás 17h um dos frentistas finalizou o plantão e foi embora com a promessa de trazer o vizinho que era mecânico, mas advertia que o cara poderia estar bêbado naquela hora... boa! 
Uma hora depois ele me ligou dizendo que cara não tinha velas para Shadow e que provavelmente era bateria fraca. 

Senhor do Céu... iluminai esse mecânico e explicai-lhe que uma moto rodando a 130 km/h, com regulador de voltagem em perfeito funcionamento não descarrega uma bateria por nada neste mundo. 

Que bom que ele não veio! 

Com a noite prestes a chegar, telefonei para a família da minha filha pedindo resgate e pra minha sorte, havia familiares morando em São José do Rio Preto. 

Não demorou muito e o meu celular tocou, era o Luiz Cesar, sobrinho do meu ex-sogro querendo saber o que estava acontecendo. Expliquei todo o ocorrido e ele disse que tinha um mecânico de confiança que mexia a mais de 10 anos nas motos dele e que ia acionar o cara. 

Mais uma hora e todos aparecem ao mesmo tempo.
Feitas as devidas apresentações, o Raul (mecânico) começou a desmontar daqui, testar dali e como a bateria já estava fraca, não deu para dar certeza, mas parecia ser mesmo a bomba de gasolina... 

Ái! 

Tranquei a moto no posto, dei as chaves para o Raul e segui pra casa da irmã do meu ex-sogro onde o meu poso já estava pronto. 

No dia seguinte o Luiz César me buscou ás 8h e fomos para o posto esperar o resgate... ás 9h ele foi trabalhar e eu esperei o carreto até as 10h. 

Fomos para a oficina Cyber Motos onde lá foi realmetne constatado... a bomba de gasolina já era.

Nessas horas não tem o que ser feito, bomba de gasolina não se recondiciona e nem se vende paralela.
Ligaram para a Honda e o boy foi buscar. Nesse meio tempo o Raul colocou a bateria para recarregar, limpou todas as velas e limpou o filtro de ar. 

Uma dica que eu não sabia é bater um ar na parte de trás do filtro, onde tem a tela, e depois bater um ar na parte da frente, mas num ângulo de 5 graus, bem deitado... o filtro recupera bem a cor. 

Tanto o Raul como a Andrea e Silvana do atendimento são gente muito boa. O atendimento foi muito bom, o serviço foi de primeira e recomendo aos amigos que estiverem pelos lados de São José do Rio Preto/SP a recorrerem á Cyber Motos. 

O telefone deles é (17) 3236-5060 e o site é www.cybermotos.com.br – diga que foi indicação do Gustavo da Shadow que mora em Santos, mas isso nem é preciso para ter um atendimento profissional. 

Os caras atendem as principais marcas de motos e não tem essa de medinho de moto custon... moto é moto e os caras são bons. 

As 13h30, 24h depois de ter parado, voltei com a moto para estrada e segui viagem. 

A moto veio que veio... prefeita! 

Passei em Piracicaba, peguei minha mulher e seguimos para São Vicente onde chegamos ás 21h exatamente como o previsto. 

Acabava uma viagem onde nunca tinha tido um imprevisto de ficar na estrada parado tanto tempo, mas como tudo tem o seu lado bom, aprendi algumas coisas a mais, compartilhei histórias e fiz novas amizades. 

É isso ai!
Bora rodar e viver a estrada de um extremo ao outro!

 

fotos relacionadas